Arquivo de março de 2012

quarta-feira, 21 de março de 2012

Prisão perpétua

Quadrinho de Charles Schulz
Compartilhar

quarta-feira, 21 de março de 2012

Há como fugir da própria sina?

“Chão quando quer crescer
Vira cordilheira”

Trecho da música Chão, de Lenine e Lula Queiroga
Interpretada por Lenine
Imagem de Amostra do You Tube

quarta-feira, 21 de março de 2012

Quem compra seus males espanta?

“As farmácias invadiram São Paulo.
Para onde você vai, se depara com uma delas.
E tem mais. Elas são todas iguais, seguem o mesmo figurino padronizado.
Feericamente iluminadas, elas reluzem num tempo que lhes é próprio.
Dia ou noite, ali estão elas resplandecentes em sua branca limpidez.
Apesar de lembrarem um pouco os supermercados com suas gôndolas, nas quais estão expostos os remédios mais populares, os produtos de higiene, os cosméticos, as farmácias procuram afetar um ar mais compenetrado, querem ter mais classe. (…)
De onde vieram todas elas? Que fazem por aqui? Existirá tanta gente doente, precisando de seus serviços?
Supondo que seja este o caso, com sua nova roupagem, estariam elas tentando driblar uma dolorosa realidade, a realidade da doença?
Estariam tentando dizer – ‘olha, não é verdade que você está sofrendo de algum mal, que você está doente e precisando tomar remédios; você está simplesmente fazendo compras, como sempre’.
As novas farmácias estariam tentando transformar num conhecido ritual de consumo – mais um entre tantos – o cumprimento de um procedimento desagradável e angustiante, ou seja, a compra de medicações para o tratamento de enfermidades.
Muitos, aliviados, embarcam nesse engodo. O que não surpreende. Afinal, o consumo não é apresentado como a panaceia universal para combater a angústia que nos corrói?”

Trecho de Semáforos, farmácias, máscaras ou três cenas paulistanas, artigo do psicanalista Sérgio Telles

terça-feira, 20 de março de 2012

Se qualquer coisa pode ser obra de arte, todos podem ser artistas?

“Nos tempos em que vivemos, sabemos que tudo pode ser obra de arte. Ou melhor, tudo pode ser transformado em obra de arte por um artista. Não há nenhuma possibilidade de o espectador distinguir entre uma obra de arte e uma ‘simples coisa’ com base só na experiência visual. Ele deve primeiro conhecer um determinado objeto que será usado por um artista no contexto de sua prática artística, a fim de identificá-lo como obra de arte ou parte de uma obra de arte. Mas quem é esse artista, e como se pode distingui-lo de um não artista – se é que essa distinção é mesmo possível? Para mim, essa parece ser uma questão bem mais interessante que a de como distinguir entre uma obra de arte e uma ‘simples coisa’.”

Trecho de O Universalismo Fraco, ensaio do filósofo alemão Boris Groys

terça-feira, 20 de março de 2012

Alguém está mentindo…

– Nós pertencemos à nova classe média?
– Sei não… É a palavra deles contra o meu saldo bancário.

A partir de um cartum de Luis Fernando Verissimo 

segunda-feira, 19 de março de 2012

Estrangeiro

Tem certeza de que Deus fala a minha língua?

segunda-feira, 19 de março de 2012

A lei mais respeitada é a da selva?

segunda-feira, 19 de março de 2012

Duro na queda

Por que não constroem aviões com o mesmo material que usaram para fazer o Keith Richards?

A partir de um quadrinho de Adão Iturrusgarai

sexta-feira, 16 de março de 2012

Trago seu amor de volta em três dias

Na porrada?

sexta-feira, 16 de março de 2012

Tolice é também sabedoria?

“O sábio que há em você
não sabe o que sabe
o tolo que não se vê.”

Trecho do poema O Tolo e o Sábio, de Mário Chamie
Contato | Bio | Blog | Reportagens | Entrevistas | Perfis | Artigos | Minha Primeira Vez | Confessionário | Máscara | Livros

Para visualizar melhor este site, use Explorer 8, Firefox 3, Opera 10 ou Chrome 4. Webmaster: Igor Queiroz