Arquivo de agosto de 2010

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

A liberdade também pode ser uma prisão?

“Me lembro do meu tempo de estudante, quando o existencialismo estava na moda e nós todos tínhamos de aderir ao movimento. Para que os existencialistas nos aceitassem, tínhamos primeiro de provar que éramos libertinos, extremistas. Não respeitar nenhum limite! Ser livre! _ isso era o que nos diziam. Mas como me sentir livre, eu me perguntava, se estou obedecento à ordem de ser livre dada por alguém?”

Trecho de Verão, romance de J.M. Coetzee 
Compartilhar

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

O Barroco não anda precisando de uma plástica?


Betsabé no Banho, tela de Rembrandt,
com intervenção de Alê Venancio
(clique na imagem para ampliá-la)

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Vitaminada

A mulher bonita, de 30 e poucos anos, atravessa a rua perto da avenida Paulista. Na porta de uma farmácia, um homem a observa, de queixo caído. A mulher percebe o interesse.
– Gostou?, indaga, maliciosa, quando se aproxima dele.
– Se gostei? Madame, com a senhora mais um pacote de bolachas, eu passo um mês.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Dois perdidos numa noite suja

“- Você está muito elegante, vagabundo, disse Francis.
– Estive no hospital.
– Por quê?
– Câncer.
– Sem sacanagem. Câncer?
– O médico me contou que vou morrer dentro de seis meses. E eu disse que quero beber até morrer. Ele disse que não faz a menor diferença se eu quiser comer ou beber, porque vou morrer de qualquer jeito. E vou dessa para melhor, com câncer. No estômago, parece que faz um buraco, sabe como é? Eu disse que estava querendo chegar aos 50. E o médico disse que eu não tinha a menor chance. Eu respondi que tudo bem, que diferença faz?
– Que azar o seu, hein? Tem uma garrafa aí?
– Tenho um dólar.
– Jesus, já é um bom começo, disse Francis. Mas aí ele se lembrou da dívida com Marcus Groman.
– Escute aqui, vagabundo, disse ele, quer vir trabalhar comigo para ganhar um dinheirinho? Depois, podemos comprar umas garrafas e comida.
– Trabalhar onde?
– No cemitério. Cavando e carregando terra.
– O cemitério? Por que não? Já está mesmo na hora de ir me acostumando. O que é que eles pagam?
– E eu lá sei?
– Estou querendo saber se eles pagam em dinheiro ou se dão um túmulo de graça quando o sujeito bater as botas.
– Se não for dinheiro, estou fora, disse Francis. Não vou cavar a minha própria cova.”

Trecho de Ironweed, romance de William Kennedy

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Alguém sabe onde posso descolar o bongozinho que acende?

Imagem de Amostra do You Tube

Primavera, canção de Cassiano e Sílvio Rochael, interpretada pelo Pato Fu

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Conseguirei mergulhar no desespero sem me desesperar?

“Para Nietzsche, as principais tragédias gregas – escritas por autores como Ésquilo e Sófocles no século 5 a.C. – contêm uma imagem profética da condição humana. Os heróis trágicos, como Édipo, Antígona e Prometeu, são levados à desgraça e à destruição por suas próprias virtudes. Contudo, em uma tragédia que se preze, a catástrofe não leva à agonia total, mas a um misterioso consolo metafísico. A essência do mundo trágico está na capacidade de sorrir enquanto se penetra no coração das trevas, e é isso que Nietzsche tenta resgatar, como antídoto para as mazelas e fraquezas de sua própria época: somos todos personagens de uma grande tragédia cósmica, e devemos viver de acordo com nossos papéis, sem recair no escapismo ou na lamúria. A chave da sabedoria está em aceitar o lado selvagem e transitório da vida – o que não significa renunciar a ela. Esse perigoso equilíbrio entre o prazer de viver e o fatalismo existencial é regido, na filosofia de Nietzsche, por duas figuras ao mesmo tempo opostas e complementares: os deuses Apolo (da harmonia, da ordem, do comedimento) e Dionísio (da desmedida), enfezados irmãos olímpicos, que entre socos e abraços regulam o estado de espírito da humanidade.”

Trecho do artigo Razão e Instinto, de José Francisco Botelho 

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Por que o futuro teima em me ultrapassar?

“Não faço planos pro futuro, mas ele faz cada um pra mim…”

De Millôr Fernandes

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Enquanto isso, num boteco da Pré-História…

– E aquela ali? É caçadora ou coletora?
– É coletora de caçadores.

A partir de um quadrinho de Bob Thaves

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Existe coisa melhor do que chegar em casa e encontrar a primavera?

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Conteúdo

“Mãe, sabe o que acabei de descobrir? Dentro da batata frita tem purê!”

De Luzia, quando estava com 2 anos
Dica de Taciana Barros
Contato | Bio | Blog | Reportagens | Entrevistas | Perfis | Artigos | Minha Primeira Vez | Confessionário | Máscara | Livros

Para visualizar melhor este site, use Explorer 8, Firefox 3, Opera 10 ou Chrome 4. Webmaster: Igor Queiroz