quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

O futuro há de ser tão novo quanto a novidade de que tanto precisamos?

Imagem de Amostra do You Tube
Compartilhar

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Nunca teremos tempo suficiente?

Somos um instante.

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Prova de literatura ou de religião?

Kardecismo

Clique na imagem para ampliá-la

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Questões metafísicas

Inferno 3

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

Tudo o que tenho a oferecer

“Um – Posso colocar meu coração a seus pés?
Dois – Se não me sujar o chão.
Um – Meu coração é puro.
Dois – Veremos.
Um – Eu não consigo tirá-lo!
Dois – Quer ajuda?
Um – Se não for incomodar.
Dois – É um prazer! Mas também não consigo tirá-lo…
Um – (Chora)
Dois – Vou fazer uma cirurgia e tirá-lo já. Para que tenho um canivete, afinal? Vamos dar um jeito. O negócio é trabalhar e não se desesperar. Pronto – aqui está! Só que isso é um tijolo… Seu coração é um tijolo!
Um – Mas ele bate por você.”

Peça do Coração, escrita por Heiner Müller

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

A propaganda é a alma do beócio?

Being myself

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Aqui se faz, aqui se paga

Namorar

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Palavras para quê?

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Não votar é alienar-se?

“O desgaste do processo político tornou-se um fenômeno de alcance mundial. Mas cada país o vive de acordo com sua trajetória histórica. No Brasil, estamos sustentando um sistema apodrecido. Não é exato dizer que as pessoas que se afastam dele sejam alienadas. Se entendemos alienação como distância da realidade, é o sistema que se alienou, encastelando-se no próprio atraso, enquanto a sociedade avançava na aspereza cotidiana.
Quando examinamos simulações de segundo turno em alguns lugares, as coisas ficam muito claras. O índice de voto nulo é impressionante. Nem um nem outro. Esse nem um nem outro é uma espécie de mantra que ronda o sistema político brasileiro. Quase ninguém se sente representado.
Os movimentos moralizadores no Brasil, desde o tenentismo e algumas variáveis de esquerda, deram com os burros n’água. É uma ilusão, creio eu, pensar que apenas a entrada de pessoas honestas vai purificar o sistema. Desde Shakespeare, as pessoas são essencialmente as mesmas, com suas grandezas e misérias. Transparência, mecanismos de controle, redução de partidos, fim de foro privilegiado, mudanças no sistema — tudo isso aponta para um caminho promissor de mudanças. No mundo de hoje, é quase impossível salvar a política da mediocridade. Salvá-la do banditismo, entretanto, ainda é uma tarefa possível e necessária.”

Trecho do artigo As ilusões perdidas, de Fernando Gabeira

sexta-feira, 30 de setembro de 2016

Falso testemunho

Quanto do desejo mora realmente na palavra desejo?

A partir de um poema de Ana Martins Marques
Contato | Bio | Blog | Reportagens | Entrevistas | Perfis | Artigos | Minha Primeira Vez | Confessionário | Máscara | Livros

Para visualizar melhor este site, use Explorer 8, Firefox 3, Opera 10 ou Chrome 4. Webmaster: Igor Queiroz