Observador do invisível

“- Lendo seus livros, a gente tem a impressão de que você sente certa felicidade em não ver, que isso não o chateia, muito pelo contrário. É assim mesmo?
– Não, uma certa felicidade, não. Mas nunca vivi num mundo visual. Por exemplo, não sei a cor da roupa que visto. E já me aconteceu de me apaixonar por uma mulher, muito apaixonado e… bem, não poder imaginá-la direito.
– Explique com mais clareza.
– Imagino a felicidade de estar com ela. Isso, sim, eu posso imaginar. Mas se me perguntam a cor de seus olhos, a forma do nariz e da boca, nao sei.”

Do escritor Jorge Luis Borges em 1974, numa entrevista para María Esther Gillio
Compartilhar

Deixe um comentário

Contato | Bio | Blog | Reportagens | Entrevistas | Perfis | Artigos | Minha Primeira Vez | Confessionário | Máscara | Livros

Para visualizar melhor este site, use Explorer 8, Firefox 3, Opera 10 ou Chrome 4. Webmaster: Igor Queiroz