Sobre o anseio de ver além do já visto

“Um homem foi bater à porta do rei e disse-lhe, Dá-me um barco. (…) Para que queres um barco, pode-se saber, o rei perguntou. (…) Para ir à procura da ilha desconhecida, respondeu o homem. Que ilha desconhecida, perguntou o rei disfarçando o riso, como se tivesse na sua frente um louco varrido, dos que têm a mania das navegações, a quem não seria bom contrariar logo de entrada, A ilha desconhecida, repetiu o homem, Disparate, já não há ilhas desconhecidas. Quem foi que te disse, rei, que já não há ilhas desconhecidas, Estão todas nos mapas, Nos mapas só estão as ilhas conhecidas, E que ilha desconhecida é essa de que queres ir à procura, Se eu to pudesse dizer, então não seria desconhecida, A quem ouviste tu falar dela, perguntou o rei, agora mais sério, A ninguém, Nesse caso, por que teimas em dizer que ela existe, Simplesmente porque é impossível que não exista uma ilha desconhecida.”

Trecho de O Conto da Ilha Desconhecida, de José Saramago
Compartilhar

2 Comentários para “Sobre o anseio de ver além do já visto”

  1. Herculano disse:

    Saramago, como sempre, muito feliz na forma e conteúdo.

  2. Alex disse:

    Procuremos pois…
    O próprio Saramago dizia: o homem é um ser que procura.

Deixe um comentário

Contato | Bio | Blog | Reportagens | Entrevistas | Perfis | Artigos | Minha Primeira Vez | Confessionário | Máscara | Livros

Para visualizar melhor este site, use Explorer 8, Firefox 3, Opera 10 ou Chrome 4. Webmaster: Igor Queiroz