Saudades da linha dura

“Durante o regime militar iniciado em 1964, as empreiteiras tiveram acesso direto ao Estado, sem mediações, sem eleições. Havia um cenário ideal para o desenvolvimento dessas empresas: a ampla reforma econômica aumentou recursos públicos destinados à  construção civil e mecanismos legais restringiram gastos em saúde e educação, direcionando tais verbas para obras de que a iniciativa privada se apropriava – grandes projetos, tocados sob a justificativa do desenvolvimento nacional, como a rodovia Transamazônica, a usina de Itaipu e a ponte Rio-Niterói. A impressão que tenho é que as empreiteiras sentem saudades da ditadura, já que não existiam mecanismos de fiscalização de práticas corruptas. Elas não eram alvos de escândalos nacionais, porque isso não era investigado.  Hoje, muitas mantêm práticas ilegais daquela época.”

Do historiador Pedro Henrique Pedreira Campos, autor do livro Estranhas Catedrais – As Empreiteiras Brasileiras e a Ditadura Civil-Militar
Compartilhar

Deixe um comentário

Contato | Bio | Blog | Reportagens | Entrevistas | Perfis | Artigos | Minha Primeira Vez | Confessionário | Máscara | Livros

Para visualizar melhor este site, use Explorer 8, Firefox 3, Opera 10 ou Chrome 4. Webmaster: Igor Queiroz