quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Que falta faz um adeus…

“Pode ser que você tenha ido embora sem nem ao menos se despedir, por medo da solidão que sempre sobrevém aos desenlaces. Assim, sem um final que a legitime, sua ida não acontece, fica sem tradução, e nossa história resta pairando no espaço indefinidamente. Só então tiro seu retrato do quarto e ponho na sala, à vista de qualquer um. ‘Mas pra onde ele foi?’, me perguntam. ‘Não sei se foi… Talvez volte’, é tudo o que digo. Mas não volta, porque nunca aqui esteve. Fez igual beija-flor que nunca pousa.”

Nem Par, Nem Ímpar, miniconto de Elisa Nazarian

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Cada um com seus problemas

“- Que horas são?
- Não sei. Sou de Humanas.”

 Do Twitter de Rod

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Assobiar ou chupar cana?

Imagem de Amostra do You Tube

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Apenas os grandes ousam se admitir pequenos?

“Caro Robert, não me lembro de ter sido tão humilhado por um ator quanto agora. Você fez isso comigo além da conta. Nada tenho a acrescentar.”

Bilhete que Paul Newman mandou a Robert De Niro em 1980, elogiando-o pelo desempenho no filme Touro Indomável 

terça-feira, 25 de novembro de 2014

Só se morre uma vez?

Clique na imagem quando quiser ampliá-la

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

De que adianta crer nos direitos das minorias sem fazer nada para defendê-los?

“Por muito tempo, achei que a militância era uma burrice necessária. E que eu não precisava me envolver na luta, enquanto houvesse gente disposta a sujar a mão, brigando pelos meus interesses. Bastava argumentar com o óbvio, que a arte usada como panfleto, propaganda ou veículo para palavras de ordem era uma forma empobrecida de arte, para me sentir justificado.  Há um mês, em Bruxelas, uma cidade que, apesar de tranquila e provinciana em aparência, concentra os conflitos sociais, culturais e raciais mais mesquinhos dos maiores centros do mundo, por pouco não fui atacado ao reagir verbalmente às injúrias de dois rapazes árabes que me tomaram por bode expiatório das suas frustrações pessoais. Num domingo, às nove da manhã, quando as ruas do centro estavam relativamente vazias e eu caminhava com meu companheiro para a estação central de trens, um dos rapazes começou a nos xingar em inglês. Supondo que éramos gays e que, como gays, não nos restava outra opção, ele gritava: ‘You gay, suck my dick!’. Ouvi uma vez, duas vezes, três vezes. E aí me irritei. Para horror de um grupo de turistas americanos acuados na porta de um hotel, gritei de volta: ‘You’re wrong. I’ll fuck your ass‘. Por muito pouco não gritei: ‘And your mother’s and your sister’s!’. Perplexos com a minha reação inesperada, os dois rapazes hesitaram por um instante antes de investir contra nós. E se não fosse por dois policiais que surgiram de repente (e cuja visão bastou para fazer os dois rapazes bater em retirada), a esta altura seria bem possível que eu ainda estivesse me recuperando em algum hospital belga.
Meu encontro com os dois árabes no centro de Bruxelas só me fez confirmar o que eu já vinha reformulando há alguns anos na minha cabeça: que a militância só parece burra por nos confrontar com um estado de coisas que supomos inconcebível, de tão primário. Ela dá uma concretude incômoda ao que tendemos a tratar como impossibilidade ou como fantasma, por comodidade, porque o problema não nos atinge diretamente. A militância nos confronta com um sentido prático e possível para lidar com o que não queremos ver, porque, se víssemos, não poderíamos ser quem achamos que somos nem continuar agindo como agimos. Ela nos confronta com a nossa autoimagem, com o nosso próprio primarismo e com a nossa própria grosseria dissimulada. É lógico que o sistema de cotas para combater o racismo e a desigualdade é, em princípio, muito primário, mas por que as mesmas pessoas educadas que se levantaram enfurecidas contra a imperfeição do sistema de cotas, como se vivessem num mundo ideal que a medida imperfeita viesse macular, nunca se manifestaram com a mesma virulência contra as desigualdades sociais? A militância nos faz ver que vivemos num mundo onde não queremos estar, porque ele nos compromete. Isso é desagradável sobretudo porque esse mundo está sempre aquém da nossa inteligência e da nossa suposta sofisticação. Como gente inteligente e sofisticada pode conviver com tais níveis de preconceito, discriminação, desigualdade e injustiça social? Mais que isso, a militância mostra que a batalha nunca está totalmente ganha, e o exemplo da homofobia dos dois rapazes na Bélgica, um país onde vigoram algumas das leis mais modernas e liberais do mundo no que se refere aos direitos civis, me parece muito claro. Quanto maior a visibilidade das minorias, mais necessidade haverá de protegê-las da violência, por leis aparentemente primárias que nos mostram, ao contrário do que alguns argumentam, que a simples visibilidade não é suficiente nem garantia de inserção em uma sociedade mais justa (basta ver a força surpreendente do reacionarismo católico na França, um país em princípio moderno, laico e liberal).”

Trecho de Militância, artigo do romancista Bernardo Carvalho 

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Carteirada do além

“A melhor história de brasileiro folgado falando no cinema eu ouvi ontem. Uma mulher falava durante a sessão, e minha amiga fez ‘sshhh’.
- Quem é você pra me mandar calar a boca? Você sabe com quem está falando? Eu sou advogada!
- E você sabe com quem está falando?? Eu sou macumbeira!!
Silêncio.”

Do Facebook de Marcelo Negromonte

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Bom negócio?

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

A salvação pode esperar

terça-feira, 18 de novembro de 2014

Quem precisa de drone?

Imagem de Amostra do You Tube
Voo de uma águia sobre Paris, registrado por uma câmera presa à ave
Contato | Bio | Blog | Reportagens | Entrevistas | Perfis | Artigos | Minha Primeira Vez | Confessionário | Máscara | Livros

Para visualizar melhor este site, use Explorer 8, Firefox 3, Opera 10 ou Chrome 4. Webmaster: Igor Queiroz

versão mobile