Um mimo

“Me chamo Julinho da Adelaide porque todo mundo só me chama assim lá no morro, entende? Minha mãe é mais famosa do que eu lá no Rio. Ainda é. Minha mãe é séria! Minha mãe, vou te contar o que ela fez. Minha mãe estava no primeiro elenco do Orfeu Negro. Foi amiga íntima de Vinicius de Moraes, Antonio Carlos Jobim e Oscar Niemeyer. Fazia o cenário do Oscar Niemeyer. Fazia o cenário do Orfeu no Municipal. Ela conheceu intimamente o Oscar Niemeyer. Tanto é que há cinco, seis anos a gente morava ali na Favela da Rocinha, quando começaram a erguer o Hotel Nacional. Ela me dizia: ‘Tá vendo, filho? Tá vendo, Julinho? Homenagem do Oscar para mim’.”

Trecho da entrevista que o compositor Julinho da Adelaide deu a Mario Prata em 1974. Julinho era a identidade secreta de Chico Buarque, que assinava canções com o pseudônimo na esperança de driblar a censura
Compartilhar

Deixe um comentário

Contato | Bio | Blog | Reportagens | Entrevistas | Perfis | Artigos | Minha Primeira Vez | Confessionário | Máscara | Livros

Para visualizar melhor este site, use Explorer 8, Firefox 3, Opera 10 ou Chrome 4. Webmaster: Igor Queiroz