Quem precisa de realismo?

“Lembro-me de uma anedota do pintor Édouard Pignon, sobre o qual eu tinha feito um documentário para a televisão. Enquanto ele estava pintando troncos de oliveira, uma criança passou e, depois de olhar o quadro, declarou: ‘O que você está pintando não se parece com nada’. Pignon, lisonjeado, disse: ‘Você acabou de me fazer o mais belo elogio. Não há nada mais difícil do que pintar algo que não se pareça com nada’.”

Trecho do livro biográfico Aonde a Gente Vai, Papai?, de Jean-Louis Fournier

Compartilhar

Deixe um comentário

Contato | Bio | Blog | Reportagens | Entrevistas | Perfis | Artigos | Minha Primeira Vez | Confessionário | Máscara | Livros

Para visualizar melhor este site, use Explorer 8, Firefox 3, Opera 10 ou Chrome 4. Webmaster: Igor Queiroz