O que ganho em antecipar o vazio?

“Não,  é claro que os ossos não sentem nada no
seu paletó de madeira abotoados para sempre.
Eu – que os tenho ainda profundamente, ou que
a eles me atenho ainda cheio de esperança, ou que
por eles sou tido ainda, quem sabe? – é que pressinto
seu improvável tédio, sua gelada saudade, sua falta
de carne, de amor, de alegria ou tristeza, seu horror
ao movimento depois do último abandono, seu frio
impedimento de articulação ou rima, seu arraigado
conservadorismo, sua fatal abstinência, seu medo
de enchente, obra, terremoto e bombardeio.”

Pernas de Verso, poema de Sérgio Alcides
Compartilhar

Deixe um comentário

Contato | Bio | Blog | Reportagens | Entrevistas | Perfis | Artigos | Minha Primeira Vez | Confessionário | Máscara | Livros

Para visualizar melhor este site, use Explorer 8, Firefox 3, Opera 10 ou Chrome 4. Webmaster: Igor Queiroz