Abstração

Ninguém vive a morte, quer morto, quer vivo, mera noção que existe só enquanto existo?

 A partir do poema Redundâncias, de Ferreira Gullar
Compartilhar

Deixe um comentário

Contato | Bio | Blog | Reportagens | Entrevistas | Perfis | Artigos | Minha Primeira Vez | Confessionário | Máscara | Livros

Para visualizar melhor este site, use Explorer 8, Firefox 3, Opera 10 ou Chrome 4. Webmaster: Igor Queiroz