Arquivo de fevereiro de 2016

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Por que insistimos em buscar certezas num mundo tão incerto?

[Embora a vida esteja sempre mudando,] o ser humano se aferra de forma natural ao conhecido, ao previsível. À medida que nos transformamos em adultos, nos acostumamos a fazer as mesmas coisas e esperamos resultados que nos são familiares. Isso produz uma sensação de controle que nos acalma, mesmo se estivermos há muito tempo entediados com nossa rotina. Ignorar o que acontecerá equivale a sair do nosso lar para entrar num mundo imprevisível, sem saber o que ele nos proporcionará.
Aquilo que em psicologia se batizou como ‘zona de conforto’ foi definido por Brené Brown, pesquisadora social da Universidade de Houston, como o território onde a incerteza, a escassez e a vulnerabilidade são mínimas, ou seja, onde cremos haver espaço suficiente para o amor, a comida, o talento, o tempo ou a admiração. Resumindo: ‘Um lugar onde acreditamos ter algum controle’. Apesar de a vida estar cheia de imprevistos e de essa segurança que desejamos ser ilusória, ao abandonar a zona de conforto – por exemplo, em um novo emprego ou no início de um relacionamento – nos sentimos ansiosos e até mesmo estressados.
Já foi demonstrado, no entanto, que é justamente em situações desse tipo que a criatividade é potencializada. Do mesmo modo que o motorista que faz sempre o mesmo trajeto corre o risco de dormir por falta de estímulos e sofrer um acidente, enfrentar situações graves nos impulsiona a tirar o melhor de nós mesmos, já que nossos cinco sentidos estão dedicados a aprender com esse mundo desconhecido. No primeiro encontro com alguém de quem gostamos, a conversa adquire um nível de frescor e criatividade que depois, numa relação estável, fica difícil alcançar. Isso prova que a incerteza nos faz crescer.”

Trecho de O poder da incerteza, artigo de Francesc Miralles
Compartilhar

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Cobiça

“A puta morreu.
Dois soldados e quatro velas
ficaram de plantão a noite inteira.
Algumas mulheres torraram o serviço,
foram espiar
– pra quem ficarão os vestidos dela?”

Trecho de A Morte da Puta, poema de Murilo Mendes

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Como neutralizar um coxinha?

“O panelaço de hoje, aqui nas entranhas do monstro, o califado de Higienópolis, teve um toque digno de Federico Fellini. Um vizinho colocou caixas de som na janela do apartamento transmitindo a Internacional, célebre hino comunista, muitos decibéis acima dos paneleiros. Acho que sei quem é o autor.”

Do escritor Fernando Morais

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

Dá para chamar de final feliz?

Spoiler

sábado, 20 de fevereiro de 2016

A tristeza, como a alegria, é contagiante?

“Té que foi tão bom fugir e te esquecer
Não saber mais nem notícia de você
Com a tristeza consegui me entender
Com a saudade conviver
E com a dor não me doer

Mas aos poucos tive que reconhecer
Que a tristeza não parava de crescer
Tomou conta da cidade e do país
Tudo que é melancolia
Dizem que fui eu que fiz

É só chorar
Em Palmas, Teresina ou Jequié
Já vão avisar
Que a origem é a tristeza lá do Zé

Já não quero nem lembrar que te esqueci
Não sabia que a tristeza era assim
Que ela segue o seu caminho até sem mim”

Trecho de Tristeza do Zé, canção de Luiz Tati e Zé Miguel Wisnik
Interpretada pelos dois e por Ná Ozzetti
Imagem de Amostra do You Tube

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Questão que não cai na Fuvest

“Ontem, dois garotos, com o rosto pintado e escrito USP, me pediram dinheiro para o trote, em um farol no bairro do Itaim, zona sul, SP.
– Moça, passamos na USP, você pode nos dar um dinheiro? Qualquer coisa serve.
Respondi:
– Só se vocês me ajudarem a pagar a mensalidade do meu FIES.
Eles se olharam e me devolveram a seguinte pergunta:
– O que é FIES?”

Do Facebook de Dalila Kahlo

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

Luiz Inácio Ricardão da Silva?

“FHC revela que seu filho na verdade é filho do Lula”

Do site Sensacionalismo

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Gosto não se discute?

“Enquanto nascia o ano de 1962, uma desconhecida banda – duas guitarras, um baixo, uma bateria – gravou em Londres seu primeiro disco. Os rapazes voltaram a Liverpool e se sentaram à espera de um parecer da gravadora. Quando já não tinham unhas para roer, num dia como hoje, receberam a resposta. A Decca Recording Company lhes dizia, com franqueza: ‘Não gostamos do seu som’. E sentenciava: ‘As bandas de guitarras estão desaparecendo’.  Os Beatles não se suicidaram.”

Extraído de Os Filhos dos Dias, livro de Eduardo Galeano

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Quantas vezes terei de repetir, George?

George

“Sua avó é a Lady Di, não a Lady Gaga!”

A duquesa britânica Kate Middleton aparentemente deu uma bronca no filho em maio do ano passado. Sabe-se lá por quê, os internautas brasileiros decidiram ressuscitar a cena recentemente para criar memes que estão inundando as redes sociais      

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Como foi que desapareci de mim mesmo?

“Se alguém me achar, me devolva.”

Do poeta Fabrício Carpinejar
Contato | Bio | Blog | Reportagens | Entrevistas | Perfis | Artigos | Minha Primeira Vez | Confessionário | Máscara | Livros

Para visualizar melhor este site, use Explorer 8, Firefox 3, Opera 10 ou Chrome 4. Webmaster: Igor Queiroz