Arquivo de maio de 2013

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Enraizados

Compartilhar

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Quem imagina o amor já está amando?

“Tão estranho que depois de tanto tempo e tanta mágoa a Isaura pudesse pensar no amor. Amanhecera vazia, sem ninguém dentro de si mesma, e foi como se encheu com a ideia de afinal ser impossível esquecer o amor. Porque o amor era espera e ela, sem mais nada, apenas esperava. A Isaura sabia que amava alguém por vir, amava uma abstração de alguém no futuro. Ela esperava o futuro, e esperar era um modo de amar. Esperar era amar.”

Trecho de O Filho de Mil Homens, romance de Valter Hugo Mãe 

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Ser star

“- Quero trabalhar no cinema.
– No cinema…Por quê? Para ficar rica, famosa, para que gostem de você?
– Não.
– Por que então?
– Para mudar de vida a cada papel. Mudar de pele. Mudar de passado. Mudar de nome. Mudar de história. Mudar de rosto.”

Trecho de Bubble Gum, romance de Lolita Pille

terça-feira, 7 de maio de 2013

E se as toupeiras usassem celular?

“Me desculpe, amiga, tenho de desligar. Vou entrar num túnel.”

A partir de um quadrinho de Bob Thaves

terça-feira, 7 de maio de 2013

Minimalismo ou ganância?

Nada é suficiente.

A partir da peça A Primeira Vista, de Daniel Maclvor  

terça-feira, 7 de maio de 2013

Não sentir dor pode doer?

HQ de Caco Galhardo
(clique na imagem para ampliá-la) 

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Bem pra lá de Marrakesh

O lugar mais distante está sempre dentro de nós?

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Santo remédio

“Para entreter curiosidades, o velho Alfredo oferecia livros ao menino e convencia-o de que ler seria fundamental para a saúde. Ensinava-lhe que era uma pena a falta de leitura não se converter numa doença, algo como um mal que pusesse os preguiçosos a morrer. Imaginava que um não leitor ia ao médico e o médico o observava e dizia: você tem o colesterol a matá-lo, se continuar assim não se salva. E o médico perguntava: tem abusado dos fritos, dos ovos, você tem lido o suficiente. O paciente respondia: não, senhor doutor, há quase um ano que não leio um livro, não gosto muito e dá-me preguiça. Então o médico acrescentava: ah, fique pois sabendo que você ou lê urgentemente um bom romance, ou então vemo-nos no seu funeral dentro de poucas semanas.”

Trecho de O Filho de Mil Homens, livro de Valter Hugo Mãe

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Posso servir o roubo agora, senhor?

“E restaurante em SP tá tão caro que o arrastão começa no couvert!”

Do humorista José Simão

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Ensurdecedoras

Certas pessoas, como os grilos, são imprestáveis para o silêncio?

A partir do Livro sobre Nada, de Manoel de Barros
Contato | Bio | Blog | Reportagens | Entrevistas | Perfis | Artigos | Minha Primeira Vez | Confessionário | Máscara | Livros

Para visualizar melhor este site, use Explorer 8, Firefox 3, Opera 10 ou Chrome 4. Webmaster: Igor Queiroz