Arquivo de janeiro de 2013

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Verde que te quero ver-te?

Tirinha de Angeli
(clique na imagem para ampliá-la)
Compartilhar

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Quem de nós não morreu na Kiss?

“Morri em Santa Maria hoje.
(…) Morri porque já entrei em uma boate pensando como sairia dali em caso de incêndio.
Morri porque prefiro ficar perto do palco para ouvir melhor a banda.
Morri porque já confundi a porta de banheiro com a de emergência.
Morri porque jamais o fogo pede desculpas quando passa.
Morri porque já fui de algum jeito todos que morreram.”

Trecho de A Maior Tragédia de Nossas Vidas, poema de Fabrício Carpinejar

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Caro Facebook, sabe como me sinto hoje?

“como na primeira vez que sonhei
que a faxineira travesti
invadia minha casa
abrindo janelas em móbiles
e currando os convidados da festa”

Poema sem título de Martha Nowill

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

O que fazer quando o inimigo nos deseja?

Sou contra a morte _que, no entanto, não é contra mim.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Tá tudo dominado?

“Não vou dizer que escrever crônica é como andar de bicicleta. A gente pode desaprender, sim. Aliás, nem andar de bicicleta é como andar de bicicleta. Sempre se tem de recuperar o equilíbrio.”

De Luis Fernando Verissimo

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Desenho pergunta?

Décima sétima ilustração de uma série que o artista
paulistano
Ganu publica semanalmente neste blog
(clique na imagem para ampliá-la)

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Querer-te bem, querer-me mal

“suicídio é homicídio
me informa minha analista
– o outro ao menos não morre
o suicida é altruísta?”

Quadrinha de Fabrício Corsaletti

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

O que me inspira? A beira do abismo

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Aluno às avessas

Mais fácil aprender do que desaprender?

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Amor da minha vida. Vida?

“Quando eu te vi fechar a porta, eu pensei em me atirar pela janela do oitavo andar,
Onde a dona Maria mora, porque ela me adora, e eu sempre posso entrar.
Era bem o tempo de você chegar no T, olhar no espelho o seu cabelo, falar com o seu Zé,
E me ver caindo em cima de você, como uma bigorna cai em cima de um cartoon qualquer.

E ai, só nos dois no chão frio,
De conchinha bem no meio fio,
No asfalto, riscados de giz,
Imagina que cena feliz.

Quando os paramédicos chegassem e os bombeiros retirassem nossos corpos do Leblon,
A gente ia para o necrotério ficar brincando de sério, deitadinhos no bem-bom.
Cada um feito um picolé,
Com a mesma etiqueta no pé.
Na autópsia daria pra ver,
Como eu só morri por você.

Quando eu te vi fechar a porta, eu pensei em me atirar pela janela do oitavo andar,
Invés disso, eu dei meia volta e comi uma torta inteira de amora no jantar.”

Oitavo Andar, música de Clarice Falcão
Interpretada pela própria Clarice
Dica de Patrícia Lima
Imagem de Amostra do You Tube
Contato | Bio | Blog | Reportagens | Entrevistas | Perfis | Artigos | Minha Primeira Vez | Confessionário | Máscara | Livros

Para visualizar melhor este site, use Explorer 8, Firefox 3, Opera 10 ou Chrome 4. Webmaster: Igor Queiroz