Arquivo de janeiro de 2013

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

O biscoito fino fará bem às massas?

“Precisamos democratizar o elitismo.”

Do jornalista Sergio Augusto
Compartilhar

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Ê, ô ô, vida de gado

Por que, mesmo quando os lugares são marcados, tanta gente faz  fila na porta do cinema logo após comprar o ingresso?

Do Facebook de Luiz Caversan

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

O Village People está em crise?

Imagem de Amostra do You Tube
Do canal Porta dos Fundos

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

A indiferença é a última que morre?

“Shep, mantendo uma distância respeitosa, deixou que a voz interior lhe dissesse que ela não poderia estar morrendo. Não se morria daquele jeito, no final de um corredor sonolento, no meio da tarde. Ora, que diabo, se ela estivesse morrendo, aquele zelador não estaria passando o esfregão com toda tranquilidade no piso de linóleo, e certamente não estaria cantarolando, e nem deixariam o rádio tocar tão alto a poucas portas dali. Se April Wheeler estivesse morrendo, é certo que este mural não estaria aqui na parede, com o folheto mimeografado de um baile para os funcionários (‘Divirtam-se!’), e as cadeiras de vime não estariam assim dispostas, com esta mesinha e estas revistas.”

Trecho do romance Revolucionary Road, de Richard Yates
Dica de Carol Bensimon

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Sem limites para o limite

“Eu tinha 18 anos e estava em minha primeira aula de filosofia, na USP. O professor, Renato Janine Ribeiro, nos explicava que no fim do semestre seríamos avaliados por um trabalho individual, cujo limite deveria ser de 8.000 caracteres. Levantei a mão: ‘Se estourar um pouquinho esse limite, tudo bem, né?’ Janine sorriu e disse algo mais ou menos assim: ‘O que é limite? É aquilo que não se pode transpor. Mas vejam como são as coisas no Brasil: entre nós, o limite não limita! Repito: o limite é de 8.000 caracteres’.”

Trecho de Todos Juntos, crônica de Antonio Prata 

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Desenho pergunta?

Décima oitava ilustração de uma série que o artista paulistano
Ganu publica semanalmente neste blog
(clique na imagem para ampliá-la)

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Quem complica se trumbica

“árvores do cemitério
o que querem me dizer_
que a vida é um pouco mais simples
do que pode parecer?”

Quadrinha do poeta Fabrício Corsaletti

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Abaixo do abaixo

– Chegou ao fundo do poço, o pobrezinho…
– Mas esse tipo de poço tem fundo?

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

O ciúme e o duplo sentido de um verbo

Se ela dança, eu danço?

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Raimunda de quê?

“Até anteontem, a figura de uma pessoa negra etiquetava um escravo; agora, uma consciência maior da nossa alergia à igualdade faz o uniforme branco das babás virar um problema (…). E, no entanto, o branco é uma representação do limpo e do transparente. Símbolo da paz, não deixa de ser curioso como o branco se relaciona com os fantasmas envoltos em névoa. Esse nevoeiro de um Brasil escravocrata que escondemos, no qual o branco figurava como uma personificação da propriedade de pessoas. Uniformizar, como disse Max Weber, faz parte do mundo moderno onde médicos, garçons, policiais, engenheiros, cientistas e operários estão uniformizados. A questão é o uso obrigatório e simbólico da roupa para distinguir as babás nesses clubes de elite. Ser de elite dispensa para cima; já o uso obrigatório do uniforme distingue para baixo. Uma presumida superioridade dada pela riqueza, pelo poder ou pela celebrização extingue a culpa, do mesmo modo que o emprego doméstico deve lembrar – pela roupa usada como cicatriz ou estigma – a origem escravocrata do serviço que promove a intimidade, mas (e aí está o ponto) não pode conduzir à igualdade. Ora, uma intimidade (o dar a mão) sem igualdade (o não tomar o braço) tem sido o princípio estruturante de toda a nossa vida social. Uma das babás diz ao jornal (O Globo) que elas não têm nome. São ‘babás’: o papel social de anjos da guarda dos filhinhos amados de suas bem-postas patroas promove o sumiço de suas cidadanias. Sempre foi assim. Façamos um teste – responda rápido: qual é o nome completo de sua empregada doméstica? Entre a escravidão na casa e o pseudomoderno emprego doméstico quase não há hiato. A continuidade foi feita abafando a igualdade, mas mantendo a intimidade que humaniza a todos, não liquidando, porém, as subordinações. No fundo, os problemas não são somente das babás, mas das patroas receosas de serem confundidas com suas ‘criadas’, na medida em que esses serviços se profissionalizam e trazem à tona esses dilemas.”

Trecho de Figuras, artigo do antropólogo Roberto Damatta
Contato | Bio | Blog | Reportagens | Entrevistas | Perfis | Artigos | Minha Primeira Vez | Confessionário | Máscara | Livros

Para visualizar melhor este site, use Explorer 8, Firefox 3, Opera 10 ou Chrome 4. Webmaster: Igor Queiroz