Arquivo de setembro de 2012

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

O futuro é o pretérito?

Compartilhar

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Quem precisa de carrão?

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Memória quase afiada

Quadrinho de Adão Iturrusgarai
(clique na imagem para ampliá-la)

terça-feira, 18 de setembro de 2012

O longe, no fundo, está bem perto?

“Viajei muito. Visitei o Japão, a Índia, o Nepal. No entanto, esse é o lugar mais distante para onde já fui.”

Da artista plástica Leonor Fridman, que participou recentemente de um retiro zen-budista bastante peculiar. Ela exercitou a simplicidade morando por quatro dias e três noites nas ruas de São Paulo, em companhia de outras 22 pessoas  

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Como nos distrair das coisas que nos distraem?

Imagem de Amostra do You Tube
Sequência que a cineasta e escritora Miranda July filmou para o longa The Future
e que não incluiu na versão final
Dica de Nina Rahe

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Fé errante

Ainda creio. Mas em quê?

A partir de Diário Completo, do romancista Lúcio Cardoso

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Por que os dicionários insistem em ignorar certas palavras?

Marulho – Barulho do mar.
Blaguette – Pão com formato engraçado.
Triglodita – Muito, muito primitivo.
Errodição – Conhecimento falho.
Zerossímil – Que não se parece com nada.
Thrauma – Aflição por não poder pronunciar o “th” em inglês.
Prolotário – Trabalhador enganado.
Hipérbola – Diz-se de quem está jogando um bolão.
Retólica – Discurso infantil.

Neologismos criados por Luis Fernando Verissimo

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Desenho pergunta?

Primeira ilustração de uma série que o artista paulistano Ganu publicará
semanalmente neste blog 

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Luz necessária

“Ouvimos depoimentos dramáticos na primeira reunião da Comissão da Verdade com os familiares de desaparecidos políticos, em junho, em São Paulo. Já há uma terceira geração assombrada pelos seus desaparecidos: sobrinhos buscando despojos de tios, netos inquirindo por avós. Essa reunião deveria ter sido aberta à imprensa, transmitida pelos meios de comunicação de massa. Mas ela se deu a portas fechadas. Por que a Comissão da Verdade trabalha em sigilo, como se ainda estivéssemos em tempos de ditadura? Já naquela reunião sugeri, em curta intervenção, que as reuniões fossem abertas. Hoje, acrescento, que haja sessões televisadas, como são as da Câmara, do Senado e do Supremo. Se a Comissão da Verdade não foi criada para fazer justiça, se não tem objetivo punitivo, que outro sentido teria senão o pedagógico, o de revelar a nossos filhos e netos as atrocidades cometidas no passado recente para que não se repitam? Um dos membros da comissão, o advogado José Carlos Dias, argumentou, então, que o sigilo era necessário para que os depoentes se sentissem à vontade para falar, para que se pudesse chegar à verdade última dos fatos. Mas que verdades a Comissão da Verdade procura? O que é a verdade, numa comissão que não tem funções processuais? Que não precisa provar a um júri que o agente do Estado assassinou aquele estudante já rendido com três tiros e não com quatro ou com dois, ou a pauladas?
Claro, ainda queremos enterrar nossos mortos. Ainda há uma verdade individual devida a cada família. Essa é a dimensão pessoal da tragédia. Mas há a dimensão nacional, na qual a verdade que interessa é a verdade socializada, apropriada pela sociedade civil, a verdade como ferramenta de conscientização e elaboração da nossa história. O que está em jogo é o domínio da memória histórica. E isso só se consegue abrindo as sessões ao conhecimento amplo, televisionando-as, exibindo as inquirições e documentos encontrados, aí sim, nos mais escabrosos detalhes, para que não seja uma narrativa abstrata.”

Trecho do artigo A verdade, alto e bom som, de Bernardo Kucinski

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Toda utopia é obrigatoriamente anarquista?

Contato | Bio | Blog | Reportagens | Entrevistas | Perfis | Artigos | Minha Primeira Vez | Confessionário | Máscara | Livros

Para visualizar melhor este site, use Explorer 8, Firefox 3, Opera 10 ou Chrome 4. Webmaster: Igor Queiroz