Arquivo de outubro de 2011

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

O que seria da arte se ele não tivesse passado ali?

Compartilhar

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

O preço de acatar o pai

“Com quantos quilos de medo
se faz uma tradição?”

Trecho de Senhor Cidadão, música de Tom Zé
Interpretada pelo próprio Tom Zé
Imagem de Amostra do You Tube

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Nem os deuses são santos?

“Enquanto Richard Stallman, o pai da Free Software Foundation, advoga por uma internet livre e por uma cultura aberta tanto na parte de hardware quanto de software, Steve Jobs conseguia se mostrar mais radical do que Bill Gates, historicamente o grande antagonista da cultura open source, quando o assunto era a lógica proprietária. Os aparelhos de sua empresa nem funcionavam com peças que fossem fabricadas para outros aparelhos e o condicionamento fechado da App Store, a loja de aplicativos da Apple, foi o que permitiu a ascensão do Google e de seu sistema operacional Android – favorável à mentalidade aberta – no setor de telefonia celular. Enquanto a natureza aberta da web foi o que permitiu sua popularização, a Apple funcionava como um condado medieval, erguendo muros altos e fortes para controlar seu próprio reino. E isso é só um aspecto do ‘mau Jobs’, convenientemente esquecido nesses dias de luto. Pessoalmente, ele era tido como um chefe cruel, intolerante, desumano. Em uma reportagem do jornal inglês Guardian, um ex-funcionário da Apple comparava a convivência com Steve Jobs a trabalhar sob a mira de um lança-chamas. Orgulhava-se de não fazer caridade e estacionava na vaga de deficientes, só porque podia. Isso sem contar a censura no ambiente digital que criava. Nudez, nem em quadrinhos. Só para ficar num caso mais clássico, quando, em 2010, a empresa censurou uma versão em quadrinhos do Ulysses, de James Joyce – ironicamente o maior romance do século 20 já havia ido a julgamento, em 1933. E nem é preciso entrar em detalhes sobre a taxa de suicídios na Foxconn, empresa que fabrica os aparelhos da Apple na China, e nas condições sub-humanas em que os produtos de sua empresa eram fabricados. Nada disso tira a genialidade do morto. Mas é bom separar uma coisa da outra. Um bom homem de negócios não é, necessariamente, um homem bom.”

Trecho do artigo Ser um bom homem de negócios não o torna um homem bom, de Alexandre Matias
Dica de Gianni Paula de Melo

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

200 ave-marias, 150 salve-rainhas e 45 atos de contrição

Já pensou se existisse crédito para pecado? A gente pagaria uma única penitência à vista e passaria o resto dos dias pecando em prestações.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Como é possível haver tanta separação em tamanha união?

“Eu acredito no teu pescoço, mas duvido do teu joelho. Eu ouço o teu umbigo, mas ignoro tua bochecha. Entendo muito bem teu cotovelo e fico perdido no teu polegar. Rejeito e aceito cada parte tua. Gosto e desgosto, admiro e desprezo. Nunca poderei ver-te por completo, nunca estarei todo com você, nossos pedaços podem viver juntos, a gente não.”

Trecho de Juntos, livro de Ivan Morales Jr.

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Quem ousará dizer que a antropofagia do Oswald saiu de moda?

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Arapuca

“E o que é o amor
senão a pressa
da presa
em prender-se?”

Trecho do poema Caçada, de Ana Martins Marques

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Nada como a serenidade da velhice?

Imagem de Amostra do You Tube
Videolog do Fernando

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Bendito seja o frio na barriga?

“Quando o artista consolida uma carreira de sucesso, perde a insegurança. Tenho saudade da insegurança.”

De Vik Muniz

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Para um escritor, todo dia é sexta-feira 13?

“Descobri que a possessão por entidades, demônios, alienígenas ou vírus, como aparece no cinema, não aterroriza tanto quanto ser possuído por si mesmo. Ao escrever um romance, me arrisquei a ser possuída por mim mesma _ou fui, embora sem ter certeza de que queria ou aguentaria. O que é um romance para mim? Um humano que sai de dentro da gente e que nos aterroriza porque não podemos chamá-lo de monstro. Se tiver a nossa carne, vai assustar o mundo com sua humanidade.”

Da jornalista Eliane Brum, autora do romance Uma Duas 
Contato | Bio | Blog | Reportagens | Entrevistas | Perfis | Artigos | Minha Primeira Vez | Confessionário | Máscara | Livros

Para visualizar melhor este site, use Explorer 8, Firefox 3, Opera 10 ou Chrome 4. Webmaster: Igor Queiroz